Loading...

blog / Munira inclui e empodera mulheres negras na moda nordestina

moda & estilo | 1 de abril de 2022 | 0

Fundada em 2019 pela designer de moda Dani Munira, a marca que leva seu sobrenome carrega a essência oriunda de sua ascendência quilombola. Além de elevar a autoestima das mulheres negras da região de Salvador – BA, fortalece e valoriza a natureza viva do Nordeste, convertendo narrativas de autoestima em ciclos de transformações pessoais e coletivas.   

A marca Munira –  que significa “brilhante” – tem o poder de contar histórias com muito respeito, conceito e evolução. E isto contribuiu para o reconhecimento de Dani Munira como uma das maiores precursoras da nova geração de estilistas que representam a moda nordestina.  

Dani Munira, criadora da marca | Foto: divulgação.

A marca, pequena na produção e grande aos olhos da criadora, segue um processo quase poético: suas peças têm a contribuição de artesãs locais e as coleções são marcadas por cores neutras e tecidos naturais biodegradáveis, como o algodão. 

Acompanhe nossa conversa com Dani Munira e veja como as roupas podem contar histórias sobre respeito, simbologia e ancestralidade.

Munira prioriza o algodão para valorizar a ancestralidade da mulher negra | Foto: divulgação

SdA – Como surgiu seu trabalho coletivo e quais os impactos entre as mulheres participantes da sua comunidade?  

DM: Meu trabalho se iniciou quando resolvi me juntar a outros criativos de Salvador e entendi a importância de uma rede de proteção para o nosso crescimento. Quando surgiu a demanda por mais gente na empresa, comecei a colaborar com outras profissionais e senti a necessidade de ter por perto mais pessoas com histórias de vida parecidas com a minha para evoluirmos juntos.

SdA – Vivemos um momento importante em ações sobre diversidade e inclusão. Na sua opinião, a indústria da moda brasileira acompanha o empoderamento da mulher negra?  

DM: Acredito que a moda sempre acompanhou as mulheres negras.

, marcas e empresas estabelecidas no mercado de moda. Hoje, nosso grito ecoa mais e, ao meu ver, o mercado está se adaptando, embora de forma lenta, com relação ao respeito e ao reconhecimento que exigimos.

“O povo preto, como um todo, sempre foi visto como uma fonte infinita de referências para estilistas”, diz Dani Munira | Foto: divulgação

SdA – Como empreendedora de uma marca independente, quais os desafios enfrentados no início da carreira e as maiores conquistas até agora?  

DM: Os maiores desafios, com certeza, giram em torno do financeiro da empresa. É muito difícil montar um negócio, principalmente na moda autoral, sem herança, sem apoio, sem investimento e, muitas vezes, sem a capacitação necessária, o que nos faz aprender muita coisa na prática.   

As minhas maiores conquistas vêm da valorização do trabalho daqueles que colaboram comigo, do reconhecimento enquanto estilista, das pessoas e dos lugares que já conheci através do meu trabalho e da construção possível do meu maior sonho. Ver meus designs em revistas, encontrar gente vestindo algo que foi criado e, muitas vezes, costurado ou bordado por mim, é muito incrível.  

Marca traz o trabalho das artesãs da região de Salvador | Foto: divulgação

SdA – Como a parceria com o movimento Sou de Algodão contribui no seu processo criativo, engajamento e posicionamento da marca?   

Acredito que o movimento Sou de Algodão é um grande potencializador de conexões para que as marcas parceiras possam avançar juntas e colaborar. Não somente com o mercado autoral, mas com o meio ambiente, com os valores que carregamos e nos identificamos.  

SdA – Qual conselho você daria para uma estilista negra que não tem muitos recursos para começar o seu negócio?  

Comece com pouco, mas comece. Não tema o original. O que muitos consideram estranho ou fraqueza é nosso diferencial e, colocado da forma certa, pode nos levar a lugares inimagináveis.  

0 comentários

deixar um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.