Rodrigo Evangelista é mais um estilista participante do 1° Desafio Sou de Algodão + Casa de Criadores reconhecido no mercado e na mídia por seu trabalho. E, para nós, é mais um motivo para ter orgulho do movimento que revela grandes nomes na moda em prol da fibra.

Hoje Rodrigo já tem em seu portfólio editoriais de revistas como Vogue Brasil, Marie Claire, entre outras, além de vestir nomes conhecidos como Pabllo Vittar, Mateus Carrilho, Gaby Amarantos, Mel, Maria Luiza Jobim e, mais recentemente, a atriz Paolla Oliveira, para a novela das 21 h, da Rede Globo.

Muito antes de ser um dos três finalistas no desafio, o estilista já tinha veia artística e sempre se interessou por moda, inicialmente pela música, que o inspira até hoje em suas criações. “Sempre amei assistir aos videoclipes e red carpets de premiações musicais e ficava analisando as roupas. Acredito que essas referências estão presentes em meu trabalho”, comenta Rodrigo.

Recém-formado em moda pelo IED-SP, ele já colhe frutos de tanto esforço e estudo nas oportunidades que tem tido, especialmente após a experiência de se tornar terceiro colocado no concurso. “Além de toda a experiência de criar um desfile e da realização profissional, de atuar como criador em um evento que sempre admirei, me preparou para começar a marca oficialmente, me trouxe visibilidade e me abriu as portas para o mercado de moda nacional”, completa Rodrigo.

Seu último trabalho de destaque, apresentado na novela da Globo, pela atriz Paolla Oliveira, foi uma surpresa. Por chamar atenção ao colocar em suas criações elementos extravagantes e diferenciados, o stylist da novela acabou convidando Rodrigo para participar desse projeto, que vestiu a atriz para um dos capítulos da novela com o último look apresentado na coleção FERAL, justamente a que o levou a ser um dos ganhadores do 1° Desafio Sou de Algodão + Casa de Criadores.

Paolla Oliveira veste Coleção FERAL na novela da Globo (foto: @fernando_tomaz)

A coleção teve como tema “A Noite dos Leopardos”, um show de striptease masculino criado pela icônica Eloína dos Leopardos, que acontecia em Copacabana, entre as décadas 80 e 90. Desse universo, o estilista explorou a relação entre instinto e racional, homem e animal, desenvolvendo novas padronagens de animal print, numa versão mais artsy, pop e desconstruída. “Tendo em vista o atual momento sociopolítico que nós, brasileiros e LGBTQ+, estamos enfrentando, quis chamar a atenção para causas que realmente importam, que são a valorização da história de nosso País e a saúde pública”, enfatiza Rodrigo.

O estilista, que atribui ao algodão o fato de conseguir criar peças mais elaboradas e inovadoras, tem como metas para um futuro próximo criar sua marca e continuar desenvolvendo coleções, figurinos e roupas de festa sob medida, principalmente de maneira slow, respeitando o tempo e processo criativo de cada uma.