Todo mundo já escutou, em algum momento, que a indústria da moda é pouco sustentável. Mas esse cenário já vem mudando há algum tempo.

Entre as várias frentes que requerem um olhar em torno da sustentabilidade, que vão do plantio das sementes à reciclagem de tecidos, o uso dos recursos hídricos merece atenção especial por estar presente em todas as etapas produtivas.

A Moda pela Água é uma plataforma criada para mobilizar o mercado da moda e a indústria têxtil brasileira, conscientizando-os sobre os números do consumo de água e buscando uma mudança de comportamento pelo uso responsável desse recurso nessa cadeia produtiva. Nasceu a partir de uma iniciativa da Vicunha Têxtil e do Portal ECOERA chamada Pegada Hídrica Vicunha, que estimou a quantidade média de litros de água utilizados para produção de cada calça jeans feita no Brasil.

A pesquisa calcula a Pegada Hídrica Total de um produto dividindo o indicador em três outros menores que o compõem: pegada hídrica verde (água de chuva usada), cinza (água de diluição, necessária para assimilação de poluentes utilizados) e azul (água captada, descontando-se a água devolvida).

Com essa metodologia, a pesquisa conseguiu identificar quanto cada etapa produtiva consome de água. Essa foi a primeira vez que o mapeamento do uso do recurso hídrico chegou à quantidade média usada em cada peça produzida. O objetivo é simples, mas nada fácil: fazer com que a cadeia produtiva repense seu consumo de água e crie alternativas sustentáveis para a moda.

A plataforma A Moda pela Água partiu desse estudo, mas seu propósito vai além: ela pretende ser um canal aberto de diálogo entre marcas, produtores e consumidores finais. A ideia é que os apoiadores do projeto – empresas e consumidores – sejam guardiões da água e busquem as alternativas de uso e produção que vão mudar o panorama do consumo de recursos hídricos na indústria brasileira da moda.

Nós não poderíamos, é claro, ficar de fora dessa: o tecido jeans é composto, majoritariamente, pelo algodão e, além disso, 92% do algodão brasileiro é produzido no regime de sequeiro, ou seja, irrigado apenas pelas chuvas. O Brasil é o quarto maior produtor da fibra no mundo e o maior fornecedor de algodão sustentável.

É por isso que somos apoiadores do Moda pela Água – e guardião da água na moda. A sinergia da plataforma com nossos valores é enorme: os dois têm como objetivo principal a construção de uma cadeia produtiva mais consciente, democrática e responsável para com o meio ambiente.