Representatividade e inclusão são pontos-chave da moda contemporânea e a tendência é, felizmente, que isso se torne ainda maior.

Mas como representar toda singularidade presente em um grupo de pessoas de forma justa e não estereotipada? É isso que a marca Thear Vestuário faz lançando a coleção Sou: Céu. Exaltando toda autenticidade presente nas pessoas portadoras de vitiligo.

Vitiligo é uma condição em que o indivíduo vai, gradativamente, perdendo a pigmentação de determinadas regiões de sua pele, porém isso não ocorre de maneira uniforme, o que muitas vezes cria manchas claras em formatos variados no corpo do portador. Por ser uma doença cutânea, a autoestima da pessoa portadora costuma ser prejudicada, o que pode resultar em um isolamento e problemas emocionais.

“Daria para passar horas procurando seus desenhos, como nuvens no céu”. Este trecho de um poema escrito por Bruna Sanches, portadora de vitiligo, para seu blog Minha Segunda Pele foi o ponto de partida para o criador da marca, Theo Alexandre, elaborar a coleção.

“O céu que a coleção retrata não é o literal, mas sim o céu que está no corpo do portador de vitiligo”. A analogia de Theo às nuvens funciona e, com primor, retrata a beleza do outro que, por muitas vezes, acaba não sendo vista.

A linha de produtos demonstra uma característica fundamental à marca, a de se importar com as pessoas e querer influenciar a todos de forma positiva. Theo diz que, desde o início do estudo para elaboração da coleção, a intenção sempre foi empoderar esse grupo.

A despigmentação do tecido, elaborado totalmente em algodão, é feita a partir de um descolorante. A atenção aos detalhes também se apresenta aqui: as manchas não são brancas, mas sim em tons mais claros de uma mesma cor, o que cria um design único, como a pele dessas pessoas. Manchas se tornam desenhos, desenhos se tornam arte.

Fica claro que, para a Thear Vestuário, uma peça de roupa sempre deve carregar uma mensagem e disseminar um ideal pois, além da representatividade proporcionada no design das peças, o material também comunica a personalidade da marca demonstrando outra forte característica que esta possui.

As peças são feitas em algodão e possuem detalhes em madeira, carregando assim outro grande traço da marca, a sustentabilidade.

Os materiais usados nas peças da Thear são garimpados em estoques antigos, ou seja, o tecido é reinserido na cadeia produtiva. Tudo é aproveitado, mas não se resume a isso.

“Reutilização é importante, mas acho que também devemos falar do descarte responsável de tecidos. O algodão é importante nisso, ele se decompõe rápido e não é nocivo para a natureza”. Desta maneira Theo relata que roupas, assim como histórias, possuem começo, meio e fim. A última etapa deve, então, ser executada com consciência.

Além de todo aspecto sustentável do algodão, o fundador da marca e designer das peças ressalta que sua versatilidade e textura proporcionam uma identidade própria para seus produtos. Além disso, a pluma proporciona aconchego e conforto para quem as usa.

A Thear demonstra o quanto a moda é um reflexo de seu tempo e que, com todas as demandas atuais, é importante ser representativo e sustentável. É importante ser de algodão.