É dia de brincar no parque com a turma? Que tal shorts e camiseta bem fresquinhos? Vai passear no shopping? Tem look da moda, com estampa do seu herói ou heroína preferido! Agora, se o programa é festa ou uma ocasião especial, será difícil escolher entre peças repletas de detalhes como bordados, brilho e muito glamour!

A Brandili tem roupas para todos os estilos, dos muito pequenos aos maiorzinhos. Coleções pensadas para um público diverso – e cheio de opinião. Do recém-nascido aos 18 anos: cada faixa etária tem uma forma bem especial de se vestir.
Atenta a essas singularidades, uma das maiores preocupações da marca é estar conectada com seu público, que não fica só na criança e no adolescente, salienta Tarcila Nedel, gerente de produtos. Até a faixa dos dez anos, é a família quem escolhe o guarda-roupas. A partir daí, ela explica, os pequenos começam a escolher o que querem.

Por isso, a Brandili tem sete marcas diferentes dentro da mesma confecção: Brandili, Brandili Básicos, Brandili Club, Brandili Licenciados, Extreme, Mundi e Young Class. “Para cada uma há uma forma própria de pesquisa e criação. Tudo é feito respeitando o DNA de cada marca”, diz a gerente.

A diversão é o elemento comum em todas elas. “Ninguém quer vestir a criança de preto. Nós queremos que a roupa seja algo divertidíssimo. Por isso, procuramos criar peças que possibilitem a interação da criança ou do adolescente”.

O conforto é outro foco da empresa. Com o slogan “Amor pela criança”, a Brandili busca, mais do que vestir, deixar os pequenos livres, possibilitando a brincadeira. “A gente não vende um vestido sem um shortinho para usar junto e deixar a criança à vontade. A menina pode ir linda para a festa, com uma roupa mais social. Mas isso não pode impedi-la de brincar no escorregador, por exemplo”.

O algodão, assim, é a fibra usada em 100% da produção. Tarcila entende que não há tecido mais confortável e que possibilite unir moda, diversão e bem-estar na mesma peça. “É preciso unir beleza, alegria e a identidade da marca ao conforto e só é possível conseguir tudo isso com o algodão. Nós poderíamos fazer outros tipos de peças, muitas vezes mais baratas, mas não é o que prezamos aqui”, ela salienta.

Por abraçar a defesa dos direitos das crianças em suas ações e condutas, em 2015 a Brandili foi reconhecida pela Fundação Abrinq como “Empresa Amiga da Criança”.

História de sucesso
Hoje, a Brandili tem mais de 17 mil lojistas cadastrados e Tarcila ressalta que há peças da marca em todas – TODAS – as 5.570 cidades do Brasil. A história de sucesso é tão expressiva que ganhou espaço no Memorial Carl Heinz Brandes, reaberto pela empresa em 2014.

Tudo começou lá em 1964, com uma única máquina de costura e o sonho dos proprietários Carl Heinz Brandes e Lili Elza Bernardi Brandes de vestir a criançada com conforto.

A única máquina produzia apenas conjuntos infantis para batizado. Mas em pouco tempo as peças já estavam conhecidas no mercado e a empresa começou a ampliar sua produção. Na década de 90, a Brandili já atendia a todos os estados do Brasil.

Com os anos, as marcas foram sendo criadas e vieram as parcerias com personagens licenciados. A lista é grande: Senninha, Turma da Mônica, heróis, as princesas da Disney…

Um personagem, porém, há anos está no ranking das preferências. O Homem-Aranha é o herói preferido para estampar as peças que acompanham os meninos em suas aventuras, conta Tarcila. As meninas já preferem mudar de personagem conforme a tendência. A da vez, por exemplo, são os unicórnios coloridos, que estão espalhados pelos guarda-roupas de pequenos e grandinhos.

Os adolescentes, aliás, são um público de muitas diferenças. Tarcila explica que a Brandili procura criar coleções que dialoguem com os jovens, que mudam a cada idade. Dos dez aos 14 anos, por exemplo, há uma indefinição sobre o que vestir. “É uma faixa etária complexa. Eles não são crianças, mas também não estão aptos a usar roupas de adulto. Precisam estar inseridos, mas de uma forma bem particular”.

As marcas Young e Extreme procuram, então, abraçar essa indefinição com peças cheias de estilo, que têm a música, o surf, a internet, o cinema e outros elementos do universo teen como inspiração.

Para não deixar nada escapar entre esse público tão cheio de preferências, a Brandili usa as redes sociais como termômetro e canal direto para interagir, principalmente, com o público juvenil, e conta também com o Fã Clube Brandili como canal online de comunicação entre as mães e a marca. “Muitas campanhas nascem nas redes sociais, a partir do feedback do público. Por lá, nós conseguimos muitas informações. É possível entender o que funciona ou não”.

É de menino ou de menina?
Uma das mensagens que esse público passa é a de que meninos e meninas se misturam e buscam, mais e mais, igualdade para escolher o que querem. Para a Brandili, entender essa questão é essencial. “Nós já temos peças básicas que podem ser usadas por meninos e meninas, sem distinção. E procuramos, em todas as coleções, colocar sempre uma peça neutra, uma mais voltada para o público feminino e outra para o público masculino”, Tarcila ressalta.

Para ela, uma empresa conectada precisa estar atenta às mudanças do entorno: “O mundo já mostrou que não há divisão, coisas determinadas. Há meninas que só olham para camisetas, meninos que gostam de rosa. A equidade é uma questão importante e que está em pauta”.

Rosa, azul, vermelho, amarelo, verde, lilás: o objetivo da Brandili, afinal, é produzir peças que vistam com conforto, qualidade e encantem aos olhos, principalmente da família. “São peças que encantam pelas cores, pela diversidade, pelos elementos temporais”, nas palavras de Tarcila.

Tem coisa mais gostosa do que ver o filho da gente todo feliz, vestindo uma roupa bonita e confortável? Para a empresa que tem “amor pela criança”, a resposta é não!