Quantas marcas no Brasil são capazes de atravessar mais de cem anos, construindo uma história sólida, e inovando com produtos e uma atuação responsável? Na indústria têxtil, poucas delas conseguiram quebrar a barreira de um século, e perpetuar sua história, acompanhando as tendências da moda e da sociedade, para agregar valor à indústria do vestuário e aos seus consumidores. A Santanense é uma delas.

Fundada em 1891, mantém-se no mercado como uma das maiores e mais importantes de seu setor, algo nada fácil de se encontrar. De origem familiar mineira, teve um início curioso: nasceu da necessidade de vestir escravos, e por mais de cem anos produziu tecidos somente com algodão, voltados para decoração e roupas do dia a dia. A partir dos anos 1980, passou a desenvolver uma nova linha de produtos buscando inovar e diferenciar, o que hoje representa seu mercado: Workwear – voltado para uniformização, que inclui produtos próprios para garantir o aspecto protetivo do usuário final – e Sportswear – direcionado para moda, com artigos de alta tecnologia em elasticidade, em algodão-elastano e algodão-poliéster-elastano, além do 100% algodão.

A Santanense também é especialista em cores, qualidade reconhecida por seus clientes, complementada pelos artigos PTs (pronto para tingir), que possibilitam, às confecções, desenvolver peças coloridas com aspectos supermodernos de lavados e desgastes, similares aos obtidos em tecidos índigos.

Como forma de melhor apresentar seus produtos para os clientes, a cada coleção, além do catálogo, a Santanense entrega a seus representantes uma coleção de peças confeccionadas. Desta forma “os compradores de marcas e confecções conseguem perceber melhor o potencial dos produtos Santanense, quanto ao uso, como shapes, acabamentos e lavagens diferenciados ”. Explica Eleonora França, Gerente de Marketing e Produtos da área Sportswear

Com mais de 1.600 funcionários, divididos em três plantas fabris em Minas Gerais – Itaúna, Montes Claros e Pará de Minas -, a Santanense produz 4,5 milhões de metros de tecidos por mês, dos quais 2/3 dos artigos têm sua maior composição em algodão. Na linha do Sportswear, 98% dos artigos tem a fibra natural como seu principal insumo.

É interessante ressaltar que a Santanense tem um portfólio de produtos atemporal e seu modelo de comercialização é unificado, isso significa que não existe diferença entre o que é oferecido para o mercado interno e externo.

 

 

Algodão

A fibra natural sempre foi a matéria-prima essencial da marca, desde o início de suas atividades. “O Brasil tem por tradição trabalhar muito a questão do algodão, tecido que foi sempre colocado como básico na história da moda. Um material extremamente nobre, que está no DNA da indústria Têxtil e da Moda do Brasil”.

A respeito do movimento Sou de Algodão, que fomenta o uso da fibra na moda, a empresa destaca grande importância a essa iniciativa, “já que as principais indústrias têxteis do país têm como matéria-prima principal o algodão. Ele aparece no Brasil em um momento muito oportuno, de fortalecimento do setor, e de valorização de um produto que faz parte da nossa história”, completa Eleonora.

Sustentabilidade

A Santanense é uma empresa que está em conformidade com a sustentabilidade ambiental, das relações comerciais e com a comunidade. Segundo a gerente de marketing e produtos, estão disponibilizando no site informações detalhadas sobre os critérios preestabelecidos de como eles adquirem a fibra, adotando procedimentos social e ambiental positivos, que vão ao encontro de movimentos de moda responsável.

“Vamos publicar todas as certificações que contemplam nossa conduta sustentável sobre o algodão, mostrando de onde compramos, especificando todo nosso compromisso com princípios do desenvolvimento econômico nacional fundamentado em sustentabilidade, valores éticos e morais, e respeito às leis”, explica.

A Santanense segue à risca a questão social, que desautoriza qualquer tipo de mão de obra análoga à escravidão, trabalho forçado, aliciamento e subemprego, além de não trabalharem com produtos e componentes que possam comprometer a saúde de seus trabalhadores, do meio ambiente e do consumidor, “o que mostra toda nossa valorização na negociação do algodão”.

Esses cuidados garantiram à empresa certificações de peso, como ISO 9001:2018, voltada para processos, ISO 14001, referente à questão ambiental, e o Standard 100, da OEKO-TEX, certificação internacional para matérias-primas, produtos intermediários e finais do setor têxtil, em todas as fases de processamento.

Água e energia

Toda a água captada para uso na planta industrial de Itaúna, onde ocorrem os processos de beneficiamento, é retirada dos rios Ribeirão do Capoto e do Rio São João. Antes de entrar no processo produtivo, a agua é purificada pela ETA (Estação de Tratamento de Água), onde são recuperados 60.000 litros por hora e, antes de voltar ao Rio São João, a água é novamente tratada pela ETE (Estação de Tratamento de Efluentes).

Além disso, uma usina própria fornece parte da energia elétrica para o funcionamento da indústria.

O mesmo cuidado que a Santanense tem com o meio ambiente é dedicado às pessoas que trabalham em suas unidades. Para selecionar seus colaboradores, a empresa dá preferência às comunidades situadas nas proximidades de seus pátios industriais, proporcionando a estas pessoas oportunidade de obter ocupação e renda, além de oferecer programas de capacitação e treinamentos periódicos, mantendo-os sempre bem preparados para exercer suas funções, e até alçar voos mais altos em suas carreiras.

Outro cuidado que a empresa tem, e que merece destaque, é com o bom relacionamento com moradores do entorno de suas dependências. Por exemplo, controla a emissão sonora e de odores, por meio de medições próprias ou alertas dos próprios vizinhos, para que seus processos não gerem incômodo para a comunidade. Essa preocupação não existia desde o início. Quando começou suas operações, as fábricas ficavam distantes dos centros urbanos, em distritos industriais isolados. Com o passar dos anos, e o crescimento do perímetro urbano, as cidades foram se aproximando desses núcleos, fazendo com que as moradias fossem, pouco a pouco, se tornando vizinhas dessas propriedades. “Existe uma preocupação muito grande em cumprir todos os requisitos legais, tanto na parte social como na ambiental, para que tenhamos a melhor relação possível com as comunidades”, diz Eleonora.

Uma história de sucesso se constrói com respeito e dignidade, e a Santanense tem 127 anos de história para contar que, para produzir uma moda responsável, não se deve limitar às fronteiras de suas propriedades, mas olhar para a comunidade, o meio ambiente, seus fornecedores, processos e o consumidor. É um exemplo a ser seguido.