Quem diria que o algodão pode estar presente até em lembranças de casamento? E melhor, com uma cara exclusiva, um toque especial e cheio de estilo!

A publicitária de Sertãozinho (SP) Marina Abdalla sempre quis trabalhar com algo em que pudesse explorar sua criatividade. Filha de um agricultor e de uma empresária do setor de decoração, do pai herdou a preferência pelo algodão e, da mãe, o empreendedorismo.

“Eu praticamente cresci em zona rural, a família do meu pai é de produtores de cana. Então sempre tive muito contato com terra, soja, algodão e cana. Como na roça faz muito calor, sobretudo aqui no interior, meu pai só pedia roupas 100% algodão”, explica.

Enquanto cursava a faculdade, começou a trabalhar na loja da mãe, em Ribeirão Preto (a 22 km de Sertãozinho, aproximadamente), que vende tecidos, cortinas, colchas, papel de parede, entre outros itens. Lá, passou a exercitar a criatividade ao elaborar composé de decoração (diferentes amostras de materiais que compõem a decoração do ambiente, como tecidos, por exemplo), para a casa dos clientes.

Mas foi no Natal de 2015, durante uma festa de amigo-secreto, que tudo começou. Para agradecer a presença das amigas, Marina criou nécessaires personalizados e os ofereceu como lembrancinha. A iniciativa agradou tanto que foi parar no Instagram das presenteadas. “A partir daí, as pessoas passaram a me pedir nécessaires, ou seja, o que era só uma lembrancinha, acabou virando um negócio”.

Com os pedidos chegando a todo momento, Marina, então, passou a usar uma sala na empresa da mãe para criar e desenvolver novos modelos. Dedicada, atua em quase todas as etapas da produção: desenha, escolhe estampas, modelos, corta tecido, borda, faz controle de qualidade e atende clientes. Só não costura as peças. Para isso, conta com costureiras profissionais.

 

 

Casamentos

Os nécessaires Marina Abdalla ganharam fama e caíram no gosto das pessoas. Ela já fez para médicos e enfermeiros preocupados em ter um porta-pertences identificado, para empresas que querem presentear funcionários e clientes, para pessoas que vão viajar e querem diferentes modelos. Mas foram as noivas que abraçaram o produto como a nova tendência para suas festas.

Ao fazerem uma encomenda, os clientes escolhem cor, tecido, tamanho, divisões internas e acabamento. Podem ainda personalizar cada peça, com bordado ou fixação de pérolas, por exemplo, um achado para quem quer oferecer algo especial e exclusivo.

“Quando uma noiva me procura para fazer nécessaires, eu envio amostras de tecidos que nunca foram utilizadas em nenhum outro casamento. É uma característica do ateliê ser inovador”.

Em média, Marina produz 200 peças por mês, mas esse número pode ser maior se a encomenda for feita com antecedência.

 

Moda

Apaixonada por moda, a designer usa esse gosto como inspiração na hora de criar. Vasculha revistas, sites, tendências e muitas coleções de bolsas, outro item de seu interesse.

Embora seja adepta obstinada do uso do algodão como matéria-prima, ela explica que nem sempre é possível que seu produto seja confeccionado totalmente com este tecido. “Às vezes, os nécessaires terão contato com água. Nestes casos, é indicado usar tecido impermeável. Porém, uma peça pode ser confeccionada totalmente em algodão e passar, posteriormente, por impermeabilização”, explica.

 

Em prol de uma moda mais sintonizada com fibras naturais e do crescimento da economia nacional, Marina vê com muito entusiasmo o movimento Sou de Algodão, da Abrapa (Associação Brasileira dos Produtores de Algodão), que promove o uso da fibra na moda. “Fiquei encantada com o movimento. Incentivar o uso de uma fibra natural na indústria da moda é muito importante. Essa iniciativa inclui questões econômicas, de desenvolvimento e gera emprego no nosso país”.