O algodão é a fibra mais usada pela indústria têxtil do mundo e o Brasil tem uma importante participação no mercado. Nosso País está entre os 05 maiores produtores e exportadores de pluma, e é o maior fornecedor de algodão sustentável do mundo.

Pensando nisso, hoje, no dia do consumidor, separamos algumas informações para você saber antes de comprar produtos de algodão:

1 – De olho na etiqueta!
Assim como a bula do remédio ou uma tabela nutricional, a etiqueta traz, de maneira resumida, informações importantes da sua peça de roupa e orientações para o bom uso dela. Além disso, elas também dizem sobre a maneira correta para lavagem e secagem e o local de origem.

Indicamos sempre que optem por produtos brasileiros, pois, além de estimular o crescimento econômico do país e das empresas, sabemos que eles contêm algodão de ótima qualidade, proporcionando bem-estar e conforto.

2 – Algodão sustentável
Por falar em bem-estar e conforto, atualmente mais de 75% da safra de algodão brasileira é certificada pelo programa Algodão Brasileiro Sustentável (ABR), da Abrapa, que prevê uma série de ações sustentadas nos pilares ambiental, social e econômico. Saiba mais em: http://www.abrapa.com.br/Paginas/Sustentabilidade.aspx

3 – Emprego legal
No âmbito social, o programa ABR declarou tolerância zero ao trabalho infantil e análogo à escravidão, alinhando-se à Consolidação das Leis do Trabalho(CLT), às convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e à Norma Regulamentadora 31, que diz respeito a segurança do trabalho, saúde ocupacional e o meio ambiente do trabalho. Por isso, ao adquirir peças feitas com o algodão brasileiro, é bem provável que esteja levando toda a atuação responsável, que dá tanto orgulho, com você.

4 – O meio ambiente agradece
O produtor certificado é estimulado a adquirir e manter as boas práticas que combinam a produção agrícola e a preservação do meio ambiente com foco na proteção de nascentes, cursos e reservas de água, preservação dos biomas, do solo, qualidade do ar e da água.

5 – Todos ganham
Optar por produtos que são norteados pela preservação ambiental e pela justiça social já são ganhos por si só. Mas quer outro motivo? Os produtores certificados têm acesso a informações e meios para otimizar o processo e o gerenciamento sustentável da unidade produtiva. Então, o mercado do algodão responsável também tem a intenção de proporcionar um bom retorno financeiro, pois, com a legalidade dos contratos de trabalho, há a redução das despesas com processos trabalhistas e indenizações; ao zelar pela saúde dos trabalhadores reduz casos de doença ou acidente; e os benefícios como alimentação e alojamento aumentam a satisfação e a motivação, que elevam a produtividade do trabalhador.

6 – Valorização de origem
Desde 2002, a Abrapa se compromete ainda em desenvolver e disponibilizar um sistema que permite a identificação e rastreamento dos fardos com os produtos. Desse comprometimento nasceu o Sistema Abrapa de Identificação (SAI), implantado em 2004. Desde então, o SAI vem apresentando uma evolução constante se tornando referência em projeto de rastreabilidade.

7 – Qualidade e pureza
Com a garantia de tecidos mais puros, sem misturas de fibras, há mais chances de o produto ser reutilizado, transformando-se em novas peças. Outro bom motivo para valorizar os produtos que, de fato, tenham 100% algodão.

8 – Upcycling
Os adeptos da moda sabem que, muitas vezes, peças únicas de roupas são raras e caras, mas, com um pouco de imaginação, o material pode se transformar nas mãos dos criativos. Quem se interessa pelo upcycling, processo de transformar resíduos em novas peças, sabe que um material de qualidade tem maior durabilidade e é de fácil manipulação. Então, as suas peças de algodão acabam se tornando importantes neste processo.

9 – Economia Circular
É difícil falar de sustentabilidade e não citar opções menos injustas de economia. Essa é a proposta da Economia Circular, que engloba conceitos de design regenerativo, ecologia industrial, blue economy e biologia sintética. Pensado inicialmente para o tratamento de resíduos sólidos e a reutilização de eletrodomésticos, o conceito pode facilmente ser aplicado à indústria têxtil, tornando menor o acúmulo de resíduos na natureza. Afinal, antes de jogar algo fora, é preciso lembrar que não existe fora. Não é mesmo? Faça suas peças circularem.

10 – Trabalho social
É incrível pensar em como podemos ser ativistas somente estando atentos ao que usamos no nosso cotidiano. Consumir material produzido por empresas responsáveis e certificadas também ajuda diversos profissionais. Como o projeto da Martha Medeiros, estilista que ganhou o mundo com suas rendas produzidas por uma comunidade de rendeiras do Nordeste; a cooperativa Bordana, de Goiânia; o Inbordal (Instituto Bordado Filé das Lagoas de Mundaú-Manguaba); ou a Orientativa, ONG de Potim, interior de São Paulo, que capacita mulheres no ramo do bordado para que tenham autonomia financeira.